domingo, 30 de dezembro de 2007

Minho a duas velocidades

Já há muitos anos que as províncias perderam qualquer poder. Antigas províncias como Beira Litoral ou Alto Alentejo morreram. Hoje fala-se em Alentejo, fala-se em Minho, na Beira apenas para tentar indicar onde fica um ou outro local. Tratam-se de regiões com as mesmas características físicas, porque humanas há muito que já não tem as mesmas características, pelo menos não no Minho (distrito de Viana do Castelo e de Braga).

Como Alto Minhoto, não ambiciono de forma alguma um desenvolvimento igual ao do distrito de Braga. Com o toda a amizade que tenho com concelhos como o de Braga, Famalicão, Guimarães, Vizela etc, não queria nenhum concelho do Alto Minho no estado em que estão os concelhos mais a sul.

No entanto, e porque acredito num desenvolvimento sustentável para o Alto Minho, ambiciono e exijo como cidadão uma igualdade de oportunidades, nomeadamente no que toca ao mundo ferroviário.

No mesmo Minho onde circulam Alfas Pendulares e Intercidades circulam também mais a norte comboios dos anos 70, uns remodelados outro nem tanto, com escadas de acesso para pessoas com mobilidade reduzida, ausência de sinalização sonora para pessoas invisuais e ausência de climatização para o total conforto quer de Verão, quer de Inverno.

O que tem em comum a estação de Barcelos com a de Famalicão? E a de Vizela com a de Valença? há uns anos atrás tinham muito, depois veio um tal de EURO2004 que permitiu modernizar todas as estações que ficavam a caminho de Braga e Guimarães. As que ficam a caminho de Vigo e da restante rede galega podem continuar sem plataformas levantadas (também os comboios facilitam o acesso ao seu interior), podem (muitas delas) continuar fechadas, e sem sala de espera, além disso tem um horário rasgado e molhado afixado na parede do lado de fora que serve muito bem.

Uma coisa é certa, no Alto Minho o serviço é mais fraquinho mas também é bem mais barato, ora vejamos os preços para as cidades euro2004: Braga - Porto: 2€, Guimarães -Porto: 2€.Cidades sem estádio ou sem futebol: Barcelos - Porto 5,7€, Viana - Valença 2,9€, Viana- Famalicão 2,9€. Atenção que estamos a falar de distancias iguais às que ligam o Porto à cidade dos arcebispos e de D. Afonso Henriques. Hmm, afinal os preços também não ajudam muito.. Vá, estou a ser injusto, porque é bem possível ir de Barcelos ao Porto por 3€, basta para isso que mude de comboio em Nine (A estação que tem uma placa alusiva à igualdade dos cidadãos da UE) e demore mais 30 ou 50 minutos. Mais uma curiosidade: Valença - Porto, quase 10€ no INternacional que em Portugal é cobrado a preços de interregional e em Espanha a preços de regional.

Mas mais engraçado é fazer uma viagem entre Guimarães/Braga e o Alto Minho. Caro leitor não se meta nisso, prepare-se para 3h de viagem (no caso de Guimarães) ou então vir de Braga, chegar a Nine e o comboio que ia para Valença ter partido há 2 mins atrás (Está no horário), e ouvir uma justifcação do género: "voce não vê que são empresas diferentes??Que uma é CP Porto e outra é CP regional???" Realmente é preciso ser muito tapado para não ver que lá por pertencerem as duas à CP não tem nadinha a ver uma com a outra.

Pronto já chega...Resta esperar pelas melhorias prometidas em 2015 aquando a conclusão do AVE, se a linha não fechar antes disso.

Bom ano a todos

7 comentários:

Gisela Rodrigues disse...

É verdade que a CP tem tido uma gestão pouco eficiente e não é só no Alto Minho. Existem várias reclamações até na linha Guimarães-Porto, linha que tem uma afluência já considerável, ora pela falta de horários adequados, ora pelas tarifas praticadas.
Outro caso recente, foi a apresentação de uma proposta de "compra" de uma empresa Catalana para o troço da linha do Douro que une o Pocinho a Barca d'Alva. Este troço encontra-se abandonado há muitos anos. A empresa em questão, viu uma oportunidade de negócio que a CP não viu? Reabrir a fronteira por via ferroviária!
Há ainda outro tipo de críticas, o próprio site da CP não é actualizado devidamente o que recentemente me induziu em erro relativamente aos horrários em funcionamento.
A empresa precisa de "revisão" assim como a maior parte do sistema de trasnportes colectivos existentes neste país!!!

Salem disse...

Cara Gisela

Muitas vezes, ao nível geral, a Refer também tem bastantes culpas. Por exemplo, na linha do vouga o comboio para nas passagens de nível e sai de dentro do comboio um funcionario da refer para baixar a barra de proteção, o comboio avança, o funcionario abre as cancelas, e volta a entrar para o comboio que só depois é que volta a arrancar. Isto numa linha que passa em Sta Maria da Feira, Oliveira de Azemeis etc..

Ditador de Opinião disse...

Visite-nos em www.ditadoresdeopiniao.blogspot.com


Quando nós quisermos a sua opinião...Damos-lha!

Espelho Laranja disse...

Companheiros, mortos os vírus, o http://espelholaranja.blogspot.com está de volta. É só espreitar. Ele precisa da ajuda de todos os bloggers. Contribui para a discussão.

Naqueresmainada disse...

Em suma: Vocês querem mas não querem!!!

Não querem pagar o preço de "progresso" do Baixo Minho, mais os custos sociais das periódicas reestruturações que o modelo baseado na exploração intensiva de mão-de-obra acarreta.
Mas querem pendulares e se calhar têgêvês?!

Como advoga o Defensor, tocai castanholas e cantai ao desafio.

Salem disse...

Informe-se meu caro....

em primeiro lugar nunca me viu pedir nenhum tipo de comboio em especial. Se reparar bem só peço o mesmo tratamento ao nível ferroviario, a começar pelos preços cobrados... Mas posso lhe dizer que o Alto Minho vai ser servido pelo comboio de alta velocidade, que no fundo não passará de um comboio pendular..

Pela sua optica para as regiões serem desenvolvidas e serem alvo de alguma justiça social tem que ter os seus territorios totalment desordenados..

Dario Silva disse...

A Galiza, dizem, é a região mais pobre de Espanha.
Então, toma, vai buscar: http://www.vialibre-ffe.com/noticias.asp?not=1645&cs=infr

Os gajos não páram.

Dario Silva.