domingo, 22 de julho de 2007

Erro do passado

"Se fosse hoje a decisão seria ao contrário". Foi desta forma que José Ribeiro, presidente da Câmara de Fafe se referiu ao acordo assinado em 1986 e que levou à descativação da linha de caminho-de-ferro no concelho. Há época vereador, José Ribeiro lembra no entanto que "contrapartidas que foram dadas ao concelho eram também muito importantes do ponto de vista do desenvolvimento da cidade" mas hoje, "devidamente modernizado o comboio fazia falta a Fafe".

O edil recorda no entanto que na altura do encerramento "não tinha clientes, os horários eram muito poucos, não tinha qualquer viabilidade, demorava muito tempo e não tinha condições".

Reconvertida em pista de cicloturismo, a antiga ligação a Guimarães é hoje vista pela autarquia como "uma infra-estrutura interessante" mas a memória do comboio em Fafe não se perderá na antiga linha uma vez que está em equação a criação de "um pequeno núcleo museológico de ferramentas e utensílios e que as pessoas foram guardando", avançou o autarca.

Ontem, dia do centenário da chegada do comboio a Fafe, foi lançado o ante-projecto para a colocação de uma locomotiva no Jardim da Estação para perpetuar a memória do caminho-de-ferro.

in JN

4 comentários:

josé manuel faria disse...

Ribeiro anos e anos à frente do município.

Toca a Renovar!

.:mÁrCiO:. disse...

Será que estamos perante um Jardim?

César Gomes disse...

Foi um erro, sem dúvida, fechar as linhas de Fafe, Monção e Tâmega, mas também foi um erro não prolongar o ramal de Braga, ou não terminar a linha do lima (Viana do Castelo -> Ponte da Barca). São erros que mais tarde se pagam caros.

Francisco Rodrigues disse...

César, completamente de acordo.